Antonio DeJesus Teixeira

  • Born: June 15, 1928
  • Died: December 9, 2020
  • Location: Stoughton, Massachusetts

Farley Funeral Home

358 Park Street
Stoughton, MA 02072

Tel. (781) 344-2676

Tribute & Message From The Family


Message From The Family

Thank you for your support during this difficult time. Please enhance this tribute to Toni by adding your memories and photos.

Antonio De Jesus Teixeira ("Toni") passed away peacefully at home surrounded by his loving family on Wednesday, December 09, 2020. Toni and his soul mate, his beloved wife Nair (Finzetto) Teixeira celebrated 63 years of a blessed marriage and settled in Stoughton in 1965 with their two children after immigrating to the US from São Paulo, Brazil.

Toni was born in 1928 on the Island of Madeira (Funchal, Ponta do Sol), Portugal, son of the late Antonio Rodrigues Teixeira and Adelaide (Coelho Da Silva) Teixeira. From there the family immigrated to Brazil when he was just two years of age. As freshly minted citizens of their new country, the family settled in the Bairro da Lapa, São Paulo.

Toni considered himself Brazilian in every way. He often described his youth as idyllic. Toni told of glorious carefree days playing "futebol" barefoot with soccer balls fashioned out of discarded socks, and of wondrous days exploring the banks of the (then) pristine Rio Tiete, in SP, often with his best friend Tininho. Toni had so many stories of his childhood escapades, including when his capsized boat prompted a very timely rescue by a single rower, forever endearing him to the sport of crew (rowing). He loved the hustle and bustle of the city of Sao Paulo. He enjoyed going to the outdoor neighborhood farmer's markets ("feiras" and "mercados"), and especially loved going with his dear brother and always with family for the midnight onion soup at the "CEAGE" (one of the biggest supply markets located in a huge hangar, know for its soup festival). Toni relished long walks around the different Bairros of the city with his brother David. Later he would do the same walks while carrying either of his young children on his shoulders, especially when visiting the grandparents.

Toni was a loving son to his mother, and he held in highest loving esteem his younger brother, David. Toni had a special place in his heart for Dona Maria (espanhola), a most kindly neighbor that treated him like a son. Toni fondly recalled the times he spent with his most beloved father, helping with the thirty heads of dairy cows the family raised, and when older, tending the counter at the family store. He cherished the memories of his dear kind father, who passed away suddenly when Tony was 19 year old. Subsequently he took over the responsibilities of running the family store. Toni also honored, admired and loved his in-laws, Antonio and Adelina Finzetto, as he did his own parents.

Toni fell head over heels for his "Nairzoca" when they were introduced to each other after a mass service at their local church and he walked Nair to her home. Toni promptly asked his future father-in-law for permission to court Nair and soon thereafter he asked for Nair's hand in marriage. They married one year later in July 1957 at Nossa Senhora da Lapa, the same church at which they met, and honeymooned in Rio de Janeiro.

Toni was educated in São Paulo, Brazil, with studies in business administration and accounting, graduating from the Escola Tecnica De Comercio "Campos Sales" and from the Centro Tecnico Do Trabalho. He was a small business owner in São Paulo for 17 years, managing his retail store at the same address as their home in Rua Catao, Lapa, SP. It was a lively hub for local residents and neighboring families, as Toni and Nair were a beloved couple with two children.

Toni did something very special when he made a life-altering decision to come to America, with the clear objective of establishing a new path for the benefit of his two children, and those generations that would follow. On May 31, 1965, the young family of four boarded the Rosa Da Fonseca at the port in Rio De Janeiro with all their worldly possessions packed into a few trunks and suitcases and $500 in Toni's wallet. Their ensuing two-week ocean journey included exciting stops in Recife, Brazil, and Barbados, along with dramatic days spotting whales swimming alongside and riding out 20-foot swells of a major storm in the waters off the Carolinas. The social highlight was timed with the crossing of the equator when crew and passengers all joined in the maritime tradition of honoring poseidon with a feast that included competitions of three-legged races and bobbing for apples, of which Toni and Nair were crowned champions! On June 14, 1965, they entered New York Harbor on a balmy, clear sunny day, slowly cruising past the Statue of Liberty at seemingly arms length, an emotional moment for all. Later that evening the young family stepped onto American soil for the first time and were soon headed to their new home on Prospect Street in what was then a very sleepy Stoughton. Since then Toni and Nair moved twice more within town, always nurturing respectful and cheerful camaraderie among past and current neighbors.

After relocating to the US, Toni immediately began working for Plymouth Rubber Company in Canton, MA and did so for about 15 years until the company closed. He was recognized for his work ethic and diligence in accomplishing his job. Subsequently Toni joined the Northrop Corporation in Norwood where he worked for about 10 years until his retirement in 1991. Even though he often worked 12 hour days, and often six days per week, his focus was on attending to Nair and their children, imbuing the home with love and kindness. Summer weekend drives to Scituate Beach, and Horseneck Beach, especially with the family of his cousin Manuel, were regular events. Hours were spent on the beach with coolers stocked with a kitchen pantry's worth of food or fishing on the breakers or collecting periwinkles for later treats at home, were all cherished activities. Long distance road trips in Toni's 1967 teal Chevy Impala to New York City, and to Niagara Falls were epic life time events for the family. Toni was the principal reason his son and daughter are bilingual, as he encouraged his children to speak only Portuguese at home, complementing that discipline with writing and reading lessons (as he also offered to his grandchildren). He is remembered for the patience, kindness, and joy he bestowed upon his children and grandchildren.

Toni proudly became a citizen of the United States, and was passionate about following U.S. and Brazilian politics. He had no tolerance for the guilty when hearing stories of political corruption or of irresponsibility with the public trust. Among Toni's last conversations were discussions in which he expressed his opinion of the importance of investing in the infrastructure of cities in order to help the quality and dignity of life for the workers.

Toni played the violin in his youth, kindling a life-long love of classical music, particularly of Beethoven's symphonies. He pursued other activities that were delightful to him such as sculpting wooden chess pieces, spending hours gardening and in the yard (Toni loved the summers), walking to town (up until just a few years ago) and playing chess. He taught himself basic French and almost tackled the German language. Toni loved singing Brazilian songs, especially the "classic" Carnival songs from his youth. At every gathering whether festively large or intimately small, he would break out in some song even if briefly, and enjoyed riffing spontaneous compositions to traditional melodies, often with humourous twists.

Toni was a prolific reader. For many years, he was a regular at the Stoughton public library to check out multiple books at a time, especially those dealing with the current issues of the times. During the late 1960's, Toni made a point to read every book on file at the Stoughton Library dealing with the Vietnam war, and developed an early opinion against the conflict, sharing openly that he believed it was going to be a big problem for the US. He loved to read his National Geographic Magazines, and took to enjoying the Reader's Digest for its pithy and easy to read stories.

Toni was an active parishioner at Immaculate Conception Church in Stoughton where he and Nair were among the founding members of the Stoughton Brazilian Community in the 1990's. He devoutly lived his faith through daily prayer, weekly mass, bible study, prayer groups, and as a lector regularly delivered the readings at Sunday services. Toni was a very active contributor and enthusiastic participant in Brazilian Catholic community gatherings and celebrations, attending with Nair always at his side, each and every event whenever possible, from simple coffee hours to group dinners and major feasts.

Throughout the past thirty years, Toni was instrumental in helping many Brazilians get settled after immigrating to the United States. He is described by many as a patriarch of the Brazilian community in Stoughton and the Immaculate Conception Church Social Group. Toni devoted himself to teaching English and serving as a translator in many settings, including hospitals, town halls, and government agencies to a multitude of community members. He and Nair opened their homes for friends and family, often hosting visitors from afar for weeks at a time. Dozens of children, and young adults in the Stoughton Brazilian Community revered Toni as a figurehead Grandfather, and in some cases as the actual God Father ("padrinho") in their respective holy sacraments.

Over the years Toni and Nair returned many times to visit the family and friends in Brazil. Each and every trip was a celebration, as the reunion ignited exuberance and joy with their gatherings. He and Nair also traveled to Europe, on occasions with Toni's dear brother David and his wife Nilda, and on pilgrimages to holy sites in Italy and France.

Toni's hearty laughter was delightfully contagious, he was quick to turn a phrase into a joke or pun, and always ready to embrace an old friend as well as a new acquaintance. Material possession held little sway over him, as he valued the qualities of the heart above all else. Toni had a great sense of humor, loved to laugh, and loved even more to get others to laugh with him. We hold dear and close to our hearts our fond memories of Toni's one liners, his infectious laughter, the exuberant singing, his many colorful stories and the great warmth and "carinho" he generously showered upon all of us.

In addition to his beloved Nair, our dear Toni is survived by his two children: Mario F. Teixeira and his wife Alison Fife, MD of Wellesley, MA and their children Samuel, Isabel and Benjamin; and Luciana T. Riggs and her husband David of Armonk, NY and their children Alexandra, Lauren and Kaitlin. Toni is also survived by his beloved brother David Rodrigues Teixeira of Sao Paulo, Brazil, David's esteemed wife Nilda Leni (Leone Reginato) and their children Luiz Antonio, José Carlos (m. Mariucia Ramos) and Maria Isabel (m. Julio Cezar Rodrigues). Toni loved Nair's family in Brazil, and cherished his brother-in-law Gilberto and his sisters-in-laws Wilde and Heydei, and their many children and their children's children. Tony cherished his many cousins in MA, CA, VT and the Island of Madeira, and the memory of his two departed sisters Laura R. Teixeira and Maria José R. Teixeira.

Tônico da Nair, Zin Pai do Mario, Antonio del Rei da Luciana, sempre foi e sempre será amado, nosso querido abençoado santo anjo de Jesus. Amém

Donations in name of "Antonio De Jesus Teixeira" may be made to: Brazilian Community at Immaculate Conception Church 122 Canton Street, Stoughton, MA 02072

Last respects may be offered to Toni by the public on: December 18th, Friday, 4:00 pm to 7:00 pm at the Farley Funeral Home, 358 Park Street, Stoughton, MA. Visitors are asked to comply with CoVid protocols: ● Masks must be worn ● Keep distance of six (6) feet from one another. The funeral mass for Toni will be private. The Interment will follow the mass at the Holy Sepulchre Cemetery, Central Street, Stoughton, MA.

__________________

Antonio De Jesus Teixeira ("Toni") faleceu pacificamente em casa cercado por sua família amorosa na quarta-feira, 09 de dezembro de 2020. Toni e sua alma gêmea, sua amada esposa Nair (Finzetto) Teixeira celebraram 63 anos de um casamento abençoado e se estabeleceram em Stoughton em 1965 com seus dois filhos depois de imigrar para os Estados Unidos de São Paulo, Brasil.

Toni nasceu em 1928 na Ilha da Madeira (Funchal, Ponta do Sol), Portugal, filho do falecido António Rodrigues Teixeira e Adelaide (Coelho Da Silva) Teixeira. De lá, a família emigrou para o Brasil quando ele tinha apenas dois anos de idade. Como cidadãos de seu novo país, a família se estabeleceu no Bairro da Lapa, em São Paulo.

Toni se considerava brasileiro em todos os sentidos. Ele sempre descreveu sua juventude como idílica. Toni falou de dias gloriosos e despreocupados jogando futebol descalço com bolas de futebol feitas de meias descartadas e de dias maravilhosos explorando as margens do (então) imaculado Rio Tietê, em SP, muitas vezes com seu melhor amigo Tininho. Toni tinha tantas histórias de suas aventuras de infância, incluindo quando seu barco virou em um resgate muito oportuno por um único remador, tornando sempre cativante para o esporte da tripulação (remo). Ele amava a agitação da cidade de São Paulo. Gostava de ir às feiras e mercados de agricultores de bairro ao ar livre e, sobretudo, adorava ir com o querido irmão e sempre com a família à sopa de cebola da meia-noite no "CEAGE" (um dos maiores mercados abastecedores de um enorme hangar, conhecido pelo seu festival da sopa). Toni gostava de longas caminhadas pelos diferentes bairros da cidade com o seu irmão David. Mais tarde, ele faria as mesmas caminhadas enquanto carregava um de seus pequenos filhos nos ombros, especialmente quando visitava os avós.

Toni era um filho amoroso para sua mãe, e tinha em alta estima seu irmão mais novo, David. Toni teve um lugar especial em seu coração para Dona Maria (espanhola), uma vizinha gentilmente que tratava do Toni como um filho. Toni se lembrava com carinho dos tempos que passou com seu mais querido pai, ajudando com as trinta vacas leiteiras que a família criava e, quando mais velho, cuidando do balcão da loja da família. Ele acalentava as memórias de seu querido e gentil pai, que faleceu repentinamente quando Tony tinha 19 anos. Posteriormente, ele assumiu as responsabilidades de administrar a loja da família. Toni também homenageou, admirou e amou seus sogros, Antonio e Adelina Finzetto, assim como seus próprios pais.

Toni se apaixonou por seu "Nair-Zoca" quando eles foram apresentados um ao outro depois de uma missa na igreja local e ele acompanhou Nair até a casa dela. Toni prontamente pediu a seu futuro sogro permissão para cortejar Nair e logo depois ele pediu a mão de Nair em casamento. Casaram-se um ano depois, em julho de 1957, em Nossa Senhora da Lapa, mesma igreja em que se conheceram, e passaram a lua-de-mel no Rio de Janeiro.

Toni foi educado em São Paulo, Brasil, com estudos em administração de empresas e contabilidade, de se formar na Escola Técnica de Comércio "Campos Sales" e do Centro Técnico Do Trabalho. Foi microempresário em São Paulo por 17 anos, administrando sua loja de varejo no mesmo endereço de sua casa na Rua Catão, Lapa, SP. Era um centro animado para os residentes locais e vizinhas famílias, já que Toni e Nair eram um casal querido com dois filhos.

Toni fez algo muito especial ao sua vida tomar a decisão de vir para a América, que, com o objetivo claro de estabelecer um novo caminho para o benefício de seus dois filhos e das gerações que se seguiram. Em 31 de maio de 1965, a jovem família de quatro pessoas embarcou no Rosa Da Fonseca no porto do Rio de Janeiro com todos os seus bens materiais embalados em alguns baús e malas e $500 na carteira de Toni. Essa viagem de duas semanas incluiu emocionantes paradas em Recife, Brasil e em Barbados, e dramáticos dias manchar baleias nadando ao lado e montar para fora de 20 pés ondas de uma grande tempestade nas águas ao largo das Carolinas. O destaque social foi cronometrado com a travessia do equador, quando a tripulação e os passageiros se juntaram à tradição marítima de homenagear o poseidon com uma festa que incluía competições de corridas de três pernas e balanços de maçãs, das quais Toni e Nair foram coroadas campeãs! Em 14 de junho de 1965, eles entraram no porto de Nova York em um dia ameno e claro e ensolarado, passando lentamente pela Estátua da Liberdade aparentemente com o braço estendido, um momento emocionante para todos. Mais tarde naquela noite a jovem família andou em solo americano pela primeira vez e logo se dirigiam para sua nova casa em Prospect Street no que era então um Stoughton muito tranquilo. Desde então, Toni e Nair se mudaram mais duas vezes dentro da cidade, sempre nutrindo uma camaradagem respeitosa e alegre entre os vizinhos anteriores e atuais.

Após se mudar para os Estados Unidos, Toni começou imediatamente a trabalhar para a Plymouth Rubber Company em Canton, MA, e o fez por cerca de 15 anos até o fechamento da empresa. Ele foi reconhecido por sua ética de trabalho e diligência na realização de seu trabalho. Posteriormente, Toni ingressou na Northrop Corporation em Norwood, onde trabalhou por cerca de 10 anos até sua aposentadoria em 1991. Mesmo que ele muitas vezes trabalhava 12 horas por dia, e frequentemente seis dias por semana, seu foco estava em atendimento a Nair e seus filhos, com amor e bondade. Os passeios de fim de semana de verão para Scituate Beach e Horseneck Beach, especialmente com a família de seu primo Manuel, eram eventos regulares. Foram horas passadas nas praias abastecidos com alimentos de quantia para garantir para não faltar, pescando nas ondas ou coletando caramujos para guloseimas posteriores em casa, todas eram atividades apreciadas e preciosas. Viagens de longa distância no Chevy Impala de 1967 de Toni para a cidade de Nova York e as Cataratas do Niágara foram eventos épicos para a família. Toni foi o principal motivo de seu filho e filha serem bilíngues, pois ele incentivava os filhos a falar apenas português em casa, complementando essa disciplina com aulas de redação e leitura (como também oferecia aos netos). Ele é lembrado pela paciência, bondade e alegria que concedeu a seus filhos e netos.

Toni orgulhosamente se tornou cidadã dos Estados Unidos e era apaixonada por seguir a política americana e brasileira. Ele não tolerava os culpados ao ouvir histórias de corrupção política ou de irresponsabilidade com a confiança pública. Entre as últimas conversas de Toni houve discussões nas quais ele expressou sua opinião sobre a importância de se investir na infraestrutura das cidades para ajudar na qualidade e dignidade de vida dos e para os trabalhadores. Toni tocou violino na juventude, despertando um longo amor ao da vida pela música clássica, em particular pelas sinfonias de Beethoven. Ele exerceu outras atividades que lhe agradaram, como gostar de esculpir peças de xadrez em madeira, passar horas no jardim e no quintal (Toni adorava os verões), caminhar até a cidade (até poucos anos atrás) e jogar xadrez. Ele aprendeu francês básico sozinho e quase aprendeu a língua alemã. Toni adorava cantar canções brasileiras, principalmente as clássicas canções de carnaval de sua juventude. Em cada reunião, fosse festivamente grande ou intimamente pequena, ele se destacava em alguma música, mesmo que brevemente, e gostava de misturar composições espontâneas a melodias tradicionais, muitas vezes com toques humorísticos.

Toni era uma leitora prolífica. Por muitos anos, ele foi um regular na biblioteca pública Stoughton para verificar vários livros ao mesmo tempo, especialmente aqueles que lidam com as questões atuais da época. Durante o final dos anos 1960, Toni fez questão de ler todos os livros arquivados na Biblioteca Stoughton sobre a guerra do Vietnã, desenvolveu uma opinião inicial contra o conflito e também compartilhou abertamente que acreditava que seria um grande problema para os EUA. Ele adorava ler suas revistas National Geographic e começou a gostar do Reader's Digest por suas histórias concisas e fáceis de ler.

Toni era um paroquiano ativo na Igreja da Imaculada Conceição em Stoughton, onde ele e Nair estavam entre os membros fundadores da Comunidade Brasileira de Stoughton na década de 1990. Ele viveu sua fé com devoção por meio da oração diária, missa semanal, estudo da Bíblia e grupos de oração, e como leitor regularmente fazia as leituras nos serviços de domingo. Toni foi um colaborador muito ativo e participante entusiasta dos encontros e celebrações da comunidade católica brasileira, comparecendo com Nair sempre ao seu lado, em todos os eventos sempre que possível, desde simples cafezinhos até jantares de grupo e grandes festas.

Ao longo dos últimos trinta anos, Toni foi fundamental para ajudar muitos brasileiros a se estabelecerem após imigrarem para os Estados Unidos. Ele é descrito por muitos como um patriarca da comunidade brasileira em Stoughton e do Grupo Social da Igreja da Imaculada Conceição. Toni se dedicou a ensinar inglês e a servir como tradutor em muitos ambientes, incluindo hospitais, prefeituras e agências governamentais para diversos membros da comunidade. Ele e Nair abriram suas casas para amigos e familiares, muitas vezes recebendo visitantes de longe por semanas a fio. Dezenas de crianças e jovens adultos na comunidade brasileira Stoughton reverenciavam Toni como um figura avô e, em alguns casos, como o Pai real Deus ( "padrinho") em seus respectivos santos sacramentos.

Com o passar dos anos Toni e Nair voltaram várias vezes para visitar a família e amigos no Brasil. Cada viagem foi uma celebração, pois o reencontro acendeu a exuberância e a alegria com seus encontros. Ele e Nair também viajaram para a Europa, em ocasiões com o querido irmão de Toni, David, e sua esposa Nilda, e em peregrinações a locais sagrados na Itália e na França.

Toni gargalhada era deliciosamente contagiosa, ele era rápido em transformar uma piada ou trocadilho, e sempre pronto para abraçar um velho amigo assim como um novo conhecido. A posse material teve pouco controle sobre ele, pois ele valorizava as qualidades do coração acima de tudo. Toni tinha um grande senso de humor, adorava rir e adorava ainda mais fazer os outros rirem com ele. Que nos são caros e perto de nossos corações nossas boas lembranças de forros de Toni, sua risada contagiante, o canto exuberante, suas muitas histórias coloridas e o grande calor e "carinho", ele generosamente derramado sobre todos nós.

Além de sua amada Nair, nosso querido Toni deixou seus dois filhos: Mário F. Teixeira e sua esposa Alison Fife, MD de Wellesley, MA e seus filhos Samuel, Isabel e Benjamin; e Luciana T. Riggs e seu marido David de Armonk, NY e seus filhos Alexandra, Lauren e Kaitlin. Toni também deixou seu amado irmão David Rodrigues Teixeira de São Paulo, Brasil, a esposa de David Nilda Leni (Leone Reginato) e seus filhos Luiz Antonio e José Carlos (m. Mariucia Ramos) e Maria Isabel (m. Julio Cezar Rodrigues) . Toni amava a família de Nair no Brasil e amava seu cunhado Gilberto e suas cunhadas Wilde e Heydei, e seus muitos filhos e os filhos de seus filhos. Tony amava seus muitos primos em MA, CA, VT e na Ilha da Madeira, e a memória das suas duas irmãs falecidas Laura R. Teixeira e Maria José R. Teixeira.

Tônico da Nair, Zin Pai do Mario, Antonio del Rei da Luciana, sempre foi e sempre será amado, nosso querido abençoado santo anjo de Jesus. Amém As

Doações em nome de "Antonio De Jesus Teixeira" podem ser feitas para: Comunidade Brasileira na Igreja da Imaculada Conceição 122 Canton Street, Stoughton, MA 02072.
Os últimos cumprimentos podem ser oferecidos a Toni pelo público em: 18 de dezembro, sexta-feira, 16h00 às 19h00 na Casa Funeral Farley, 358 Park Street, Stoughton, MA. Os visitantes são solicitados a cumprir os protocolos CoVid: ● máscaras Devem ser usadas ● Manter distância de seis (6) pés um do outro